O atacante Flávio Caça-Rato é um daqueles jogadores que marcam época no futebol brasileiro. Não necessariamente apenas pelo futebol apresentado dentro de campo, mas também aliado ao carisma fora dos gramados. Em 2013, o atleta foi o responsável pelo gol do acesso e um dos destaques da campanha do Santa Cruz, de Pernambuco, na Série C.

O bom desempenho e o apelido divertido chamaram a atenção da mídia nacional e até internacional. Carismático, Caça-Rato entrou na brincadeira e ainda foi proclamado como CR7, em referência ao português Cristiano Ronaldo, eleito quatro vezes o melhor jogador do mundo. Mas o que aconteceu com o atleta, que não conseguiu se firmar no futebol brasileiro?

Ainda com a camisa do Santa Cruz, em 2014, Flávio Caça-Rato teve uma boa sequência. Foram 36 jogos com o Tricolor pernambucano. Depois, o atacante passou por Remo, Guarani, de Campinas, e Duque de Caxias, sem muito destaque.

“Me arrependo de algumas coisas. Quando você não tem uma base, vem de comunidade carente, acaba se perdendo um pouco. Foi o que aconteceu comigo. Mas, hoje Deus faz parte da minha vida, pois virei evangélico. Eu achava que era feliz antes, mas estava enganado. Aprendi com meus erros e agora só quero fazer o certo. Deus está me dando uma nova oportunidade de fazer tudo diferente”, revelou o jogador.

Em especial, a temporada 2016 não foi muito boa. Com as camisas do Guarani e do Duque de Caxias foram apenas 16 jogos ao todo. Uma lesão no adutor atrapalhou o desempenho durante o ano. Para dar a volta por cima e voltar a fazer gols, Caça-Rato não quer perder mais tempo. O atacante mantém a forma física com treinos na praia e na academia. “O time que me contratar vai me encontrar bem fisicamente. Estou em condições normais para atuar”, disse o atleta, que sonha em voltar a fazer gols.

“Eu quero estar sempre jogando e a lesão me atrapalhou muito, mas isso agora é passado. Estou focado no próximo ano para voltar a apresentar um grande futebol. Quero um 2017 maravilhoso. Jogar bem o primeiro semestre e ser feliz. Está tudo nas mãos de Deus. Graças a Ele tem clubes interessados no meu trabalho”, ressaltou.

O caminho de Caça-Rato em 2017 deve passar pelo futebol nordestino ou por Minas Gerais, estado em que duas equipes demonstraram interesse. “Temos muitas sondagens do Nordeste, onde ele é muito conhecido. Alguns clubes de Série A e Série B estão monitorando o jogador para um possível contrato. Sabemos que o atleta é bastante conhecido e as propostas estão chegando. O mercado está carente de atacantes, principalmente com as qualidades do Caça-Rato. Além do Nordeste, dois clubes de Minas Gerais estudam a contratação”, revela o empresário Lucival Pereira Silva, que cuida da carreira do atacante atualmente.

UOL

COMPARTILHAR

Comentários

comentários