Cejane Borges/Governo do Tocantins

 

Somente no primeiro trimestre de 2017, Sine já capacitou 1.746 trabalhadores e a meta para o ano é de cinco mil pessoas se qualificando para melhorar suas habilidades profissionais

O Governo do Estado, por meio do Sistema Nacional de Empregos (Sine) do Tocantins, mais do que intermediar vagas de trabalho, vem desenvolvendo uma ação estratégica de investir na capacitação dos trabalhadores para ampliar o acesso ao mercado profissional e a manutenção do emprego. Para isso, em 2016 foi criado o Programa de Orientação Profissional e de Carreira (Popc), que tem por objetivo a inserção, reinserção, permanência no mercado e crescimento da carreira, por meio de orientação formativa, com cursos gratuitos de capacitação e que atendem, também, às demandas mercadológicas.

 

O programa nasceu da necessidade latente em capacitar profissionais com foco na questão comportamental, na postura profissional e na melhoria do ambiente de trabalho. De acordo com o gerente de Qualificação Profissional do Sine, Kleber Wessel, na realidade atual não adianta ser um excelente técnico, um bom profissional, se não conseguir se adaptar ao novo cenário mercadológico, que exige também como competência relações interpessoais, espírito de equipe, caráter pró-ativo e atendimento diferenciado. “Temos profissionais que têm conhecimentos específicos em suas áreas de atuação como padeiros, eletricistas, mecânicos que estão em busca de novas oportunidades de trabalho e que têm dificuldade de como proceder na entrevista de emprego, ou mesmo se manter nas instituições, por conta do relacionamento interpessoal e da convivência grupal. Estamos capacitando pessoas na área comportamental, em como saber se comportar, atuar em equipe, conviver harmonicamente em grupo e em saber atender bem o cliente, seja ele interno ou externo”, informou o Gerente.

 

Alinhado aos principais anseios do empresariado, o programa tem quatro eixos temáticos principais: Atendimento ao Cliente, Postura Profissional e Relações Interpessoais, Falar em Público, e Marketing Pessoal. As áreas foram definidas em conformidade com a demanda de mercado, com a solicitação do empresariado e em face das próprias mudanças do cenário corporativo. No Tocantins, a realidade de três anos atrás era de uma demanda por trabalhadores, onde o mercado absorvia mão de obra com e sem qualificação profissional. Atualmente, com as mudanças mercadológicas, as exigências são muito maiores, o número de vagas menor e mais pessoas em busca de inserção profissional. “O caminho é procurar se capacitar e melhorar as habilidades para aumentar as chances de empregabilidade. Mais do que ser profissional, é preciso também ter um perfil de constante melhoria e de investir em conhecimento pessoal”, aponta a secretária de Estado do Trabalho e Ação Social Patrícia do Amaral.

 

Resultados expressivos

 

Desde que foi criado o Programa de Orientação Profissional e de Carreira vem apresentando expressivo crescimento. Em 2016 foram capacitadas 3.140 pessoas em todo os polos do Sine Tocantins, nas cidades de Palmas, Araguatins, Araguaína, Guaraí, Paraíso do Tocantins, Porto Nacional, Dianópolis e Gurupi.

 

Somente no primeiro trimestre de 2017, o programa já capacitou 1.746 trabalhadores e a meta para o ano é de cinco mil pessoas se qualificando para melhorar suas habilidades profissionais.

 

O sucesso do programa caminha lado a lado com uma mudança que o Sine fez na sua própria metodologia de trabalho, com a implantação da captação de vagas por meio do telemarketing. Com isso, atualmente são três formas do Sine encontrar postos para intermediar a inserção profissional: com as empresas procurando o órgão, com o Sine buscando as instituições via captação externa, e por meio do telemarketing. Com a implantação da modalidade, cresceu em mais de 50% o número de vagas ofertadas para o Tocantins. Como comparativo, no mês de fevereiro deste ano, o Sine contava com 205 postos de trabalho para intermediação, em maio o órgão contava com 504 novas vagas de emprego.

 

Atualmente, o Sine Palmas recebe em média 2.500 pessoas por mês em busca de oportunidades de trabalho e, com a implantação do Programa de Orientação Profissional e de Carreira e do Telemarketing, conseguiu aumentar significativamente o número de encaminhamentos às vagas. Com a ação estratégica de buscar mais postos de trabalho, em maio, o Sine encaminhou 1.393 trabalhadores ao mercado, quase o dobro de pessoas do mês de janeiro, que foi de 692 candidatos.

 

Cursos e Orientação Profissional

 

A capacitação é no formato presencial, com cursos gratuitos, com média de 20hs/aula. Semanalmente, são ofertados novos cursos dentro dos eixos temáticos e abertos ao público, inclusive para quem já fez um ou mais cursos do programa. A cada novo curso são ofertadas 30 vagas por polo. Todos os cursos têm certificação e são ministrados por uma equipe técnica do Sine, multiplicadora de conhecimentos e habilidades.

 

Além do curso, o órgão tem um trabalho diferenciado de Orientação Profissional. Todos os trabalhadores que são encaminhados pelo Sine para concorrer a uma vaga de trabalho passam pela equipe de orientação, que instrui o candidato sobre informações relevantes e que fazem o diferencial na hora da contratação: como se portar em uma entrevista, o que vestir, qual a postura e comportamento adequado. Para o gerente do programa, essa orientação é uma oportunidade de preparar o profissional para uma situação de tensão. “Comprovadamente, temos verificado que um melhor preparo para a entrevista tem contribuído para o ingresso profissional. Orientamos as pessoas em como saber se vender profissionalmente e a apresentar, de forma adequada, suas habilidades com ferramentas do Marketing Pessoal”, destacou Kleber Wessel.

 

Além das pessoas que buscam entrar no mercado profissional, os cursos são abertos a todos que querem investir no conhecimento pessoal e na carreira. Prestadores de serviços como pintores, ambulantes e profissionais liberais também têm acesso aos cursos e podem se capacitar. Nas aulas de Marketing Pessoal, por exemplo, o aluno aprende que sua roupa de trabalho é a sua identidade e um pintor, necessariamente, não precisa trabalhar com a roupa suja de tinta, pode fazer um macacão como uniforme e aproveitar para colocar seu telefone e fazer a sua propaganda. É um dos objetivos do programa ensinar técnicas que contribuem com o crescimento pessoal e profissional.

 

Comentários

comentários