Heloísa Perissé é evangélica e recebe crítica por fazer papel de esotérica em “A Lei do Amor”


Em entrevista ao portal Extra, Heloísa Perissé fala dos personagens que vive na ficção e a polêmica esotérica de “A lei do amor”. Evangélica, a atriz, de 50 anos, nem pensou duas vezes quando recebeu o convite da autora Maria Adelaide Amaral para interpretar a Mileide na novela das nove. Mas o seu “sim” virou alvo de críticas. Bastaram as primeiras cenas da vidente irem ao ar para surgir questionamentos.

— Algumas pessoas perguntam como eu, sendo cristã, faço um papel assim. Faço porque é o meu trabalho, porque é uma porta que, eu creio, foi Deus quem abriu para mim. Eu faço a personagem, mas não vivo a personagem. Eu escolhi essa profissão por conta da possibilidade de viver várias vidas em uma. Posso fazer prostituta, freira, dona de casa, drogada, mulher de sucesso… — enumera a artista, que já havia interpretado uma cartomante no filme “Muita calma nessa hora”.

A busca por tentar acessar o que o futuro reserva através de videntes e suas cartas de tarô não faz parte do show de Heloísa, mas nem sempre foi assim.

Assista:

— Eu realmente já fiz tudo isso, mas, em 1999, me converti. Hoje em dia, penso diferente e sou categórica de que o futuro a Deus pertence. Você pode traçar metas, fazer planos, mas a palavra final é de Deus — acredita a artista, que se inspirou na esotérica vivida por Whoopi Goldberg no filme “Ghost” para fazer a Mileide de “A lei do amor”

No jogo da vida de Heloísa não há espaço para uma carta que represente o julgamento.

— Como fiz trinta e vinte (referência bem-humorada aos seus 50 anos), já aprendi a cair fora da armadilha do melhor e pior, bom e ruim, bonito e feio, papel pequeno, papel grande. Quando cheguei da Bahia, eu era escalada para passar atrás do blecaute do cenário e, ainda por cima, de costas (risos). Mas eu dizia “vão falar desse vulto” (risos). Não faço julgamentos — diz a mãe de Luiza, de 17 anos, e Antônia, de 10.

Riscar a palavra preconceito do seu vocabulário é apenas mais uma prova de que a idade trouxe sabedoria para Heloísa. Não por acaso, a atriz, ainda que esteja em lado oposto ao de Mileide no quesito religião, defende a sua personagem pouco honesta:

— Mileide é uma picareta do bem, uma sobrevivente, não é mau-caráter. De tanto dizer que vê coisas, chega uma hora que ela realmente vai ver coisas. Graças ao dom de visão que acaba desenvolvendo, ela ajuda os amigos.

(Informações do portal Extra)