Advogada Evangélica morre em Palmas após fazer abdominoplastia; confira

A advogada e empresária Denise Sucena Canedo, de 42 anos, faleceu, na madrugada do dia 11, em Palmas, após complicações no pós-operatório em um hospital particular. Ela havia feito uma mini abdominoplastia e, de acordo com Milla Nery Machado, cirurgiã plástica responsável pelo procedimento, teve uma discrasia sanguínea e embolia pulmonar, falecendo após três paradas cardíacas.

Após a mini abdominoplastia, ela iria fazer uma mamoplastia, mas as complicações apareceram logo após a primeira operação. “Já no pós-operatório ela teve dificuldades de respiração. Passamos a noite inteira tentando reanimá-la”, disse Milla ao JTo, ainda muito abalada com a situação. Ela e Denise eram amigas íntimas. Embolia As complicações que levaram Denise a óbito são mais frequentes do que se imagina.

O pneumologista Jesian Cordeiro de Aguiar informa que 15% das mortes em pós-operatório são causadas pela embolia pulmonar. “E são responsáveis, ainda, por pelo menos 20% das mortes hospitalares”, disse. A detecção não é fácil. Segundo o especialista, o diagnóstico de uma embolia pulmonar já é feito em sala de necropsia. “Há o grupo de risco, mas ninguém está livre”, alertou Aguiar. Questionado sobre mortes oriundas de embolia pulmonar, foi enfático ao dizer: “infelizmente é uma fatalidade”, comentou. Velório O corpo da advogada foi velado na Igreja Internacional da Renovação, durante todo o dia de ontem. Cerca de 200 pessoas, entre familiares, amigos, conhecidos e autoridades estiveram presentes.

De acordo com amigos, Denise era uma mulher calma, serena e trabalhava pela causa dos outros, muitas vezes sem cobrar honorários. Uma amiga próxima de Denise informou, ainda, que ela vinha se preparando há meses para o procedimento. “Ela me mandou mensagem momentos antes de entrar na sala de operação falando que ia me ligar quanto tudo terminasse”, lembrou a mulher.

A Ordem dos Advogados do Brasil no Tocantins (OAB) divulgou uma nota lamentando o ocorrido. Conforme o instituição, Denise foi ativista e integrou o movimento Mais Mulheres na OAB. Ela também presidiu a Comissão de Direito de Família e o Instituto Brasileiro de Direito da Família. Denise era casada com o também advogado Alessandro Canedo e deixa dois filhos: um de oito e outro de três anos de idade.

Ela foi sepultada no final da tarde de ontem no Cemitério Jardim das Acácias. a advogada seria submetida a dois procedimentos cirúrgicos, mas não sobreviveu ao primeiro após complicações. Com informações jornaldotocantins.