Policiais do (GOC), fazem enterro e homenagens para cadela que atuou 10 anos na corporação

Uma cadela que trabalhou durante 10 anos com o Grupo de Operações com Cães (GOC) da Polícia Militar foi velada e enterrada dentro da sede do grupo em Palmas. Os policiais resolveram fazer a homenagem a Flecha, como era chamada, porque ela era uma das cadelas que atuou durante mais tempo no grupo e que mais interagia com os militares. Ela chegou a ser baleada em ação durante um assalto a banco em 2011.

Flecha, da raça pastor belga milinois, estava no GOC desde 2007, atuando principalmente na perseguição de criminosos em áreas de mata fechada, na busca por entorpecentes e em ocorrências dentro de presídios no estado. Hoje o GOC tem 16 cães que atuam em situações semelhantes e alguns são inclusive filhotes da própria Flecha.
“Flecha era muito especial para nós, foi a nossa principal cadela, ela trabalhou com a gente desde 2007, são 10 anos juntos”, comentou o Capitão Guinomar Dias, que coordena o grupo e ajudou na homenagem. Ele explicou que ela precisou ser sacrificada, já que tinha problemas nos rins e na bexiga e estava sofrendo muitas dores. Ela foi velada com o manto do GOC e enterrada na área externa da sede.
O assalto em que Flecha foi baleada foi na cidade de Mateiros, na região do Jalapão. Ela encontrou os criminosos que haviam fugido para o meio da mata. A cadela atacou, mas foi baleada por um deles. O ferimento foi nas costas, mas ela se recuperou e voltou a ação no ano seguinte.
A morte de Flecha também repercutiu nas redes sociais. “Uma das Malinois mais lindas que já vi. Brava e valente! Quem ama a raça e cães sabe a dor que é”, comentou uma internauta. “Perdemos mais um soldado, mas está com sua missão cumprida”, escreveu outro. Com informações g1/tocantins.