Manifestantes que vivem em casas no Taquari invadem prédio da Assembleia Legislativa; confira

Manifestantes que ocupavam a Assembleia Legislativa deixaram o prédio na tarde desta terça-feira (11). Cerca de 200 pessoas ocuparam os corredores do local durante todo o dia para tentar conversar com os deputados. O grupo faz parte das famílias que estão ocupando 443 casas construídas pelo governo do estado na quadra T-23, no Jardim Taquari, em Palmas. Recentemente, uma decisão judicial determinou a desocupação das construções.
As casas são destinadas para dois programas habitacionais e deveriam ter sido entregues em 2015, mas não ficaram prontas. Em outubro do ano passado, centenas de famílias, ocuparam as casas.
O grupo só deixou a AL depois que os deputados decidiram procurar representantes do governo para mediar o problema. O presidente da casa, Mauro Carlesse (PHS) prometeu aos manifestantes que vai buscar reuniões com o governo e a Justiça nesta quarta-feira (12).
“Deputados falaram que vão ajudar e tentar entrar em diálogo com o governo”, disse o representante dos manifestantes, Ronaldo Carvalo. Segundo ele, cerca de 250 famílias estão vivendo nas casas.

Entenda

No início deste mês, a Justiça determinou a desocupação das casas no setor Taquari. A decisão afeta as famílias que invadiram os imóveis, que seriam destinados a dois programas habitacionais. Pela decisão, os atuais moradores têm 15 dias para deixar os imóveis voluntariamente, caso contrário a força policial poderá ser usada.
A medida foi determinada pelo juiz Roniclay Alves de Morais, da 4ª Vara da Fazenda Pública de Palmas. Ele é juiz de primeira instância e por isto cabe recurso a decisão.
Na ação, o Governo do Tocantins alegou que a paralisação das obras em função das invasões prejudica o interesse público e a comunidade carente. De acordo com o estado, o poder público está sendo impedido de honrar os compromissos assumidos com a Caixa Econômica Federal e as construtoras contratadas. Com informações g1.