Pré-candidato Márlon Reis, faz visita a Ministro do TSE que pode cassar mandato de Marcelo Miranda; confira

Márlon Reis, ex-juiz e pré-candidato ao governo do Tocantins, esteve na tarde desta terça-feira, 21 de fevereiro, em companhia do Presidente da Associação dos Membros do Ministério Público do Rio de Janeiro (AMPERJ), Luciano Mattos, e do advogado Rafael Estorílio em visita com Presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Ministro Luiz Fux.

Falando em nome do Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE), a rede nacional de organizações que promoveu a campanha pela aprovação da Lei da Ficha Limpa, Márlon Reis saudou e parabenizou o Min.

Fux por sua posse na presidência do TSE. No encontro, foram tratados temas relacionados à aplicação rigorosa das regras sobre inelegibilidades previstas na lei de iniciativa popular, fruto da participação de mais de dois milhões de pessoas como subscritoras do projeto de lei.
Na oportunidade Reis afirmou que “a sociedade brasileira aguarda com expectativa as ações do Min. Luiz Fux como presidente da nossa mais alta Corte Eleitoral, tendo sido ele o responsável por diversas decisões favoráveis à Lei da Ficha Limpa, especialmente aquela que resultou na declaração da sua plena constitucionalidade”.

A visita representou o último ato de Márlon Reis como integrante do Comitê Nacional do MCCE, do qual é um dos fundadores e onde representa o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil. A partir de agora ele está licenciado voluntariamente para se dedicar ao projeto de apresentar a sua candidatura ao governo do Tocantins.

Lembrando que de acordo com o que afirmou O jornal O Globo nesse sábado, 17, que a expectativa é de que o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luiz Fux, possa votar pela cassação da chapa do governador Marcelo Miranda (MDB) e da vice-governadora Cláudia Lelis (PV). A ideia é demonstrar que o tribunal não vai permitir candidatura de políticos que cometerem crimes, ou que afrontaram a moralidade pública. Os primeiros julgamentos estão previstos para a próxima terça-feira.

Entenda

Os registros de candidatos às eleições deste ano devem ser analisados a partir de 15 de agosto. A Corte tem até 17 de setembro para julgar todos os casos. No TSE, os ministros já sabem que, qualquer que seja a decisão no caso Lula, estarão no centro das atenções. Com outros casos semelhantes analisados antes, terão o argumento de que não é perseguição ao petista.

O caso do governador de Tocantins, Marcelo Miranda (PMDB), será dos mais emblemáticos a serem decididos antes da análise da candidatura do petista. O Ministério Público pede a cassação do mandato de Miranda por captação ilícita de recursos na campanha de 2014. Menos de um mês antes das eleições, a Polícia Civil apreendeu em Piracanjuba (GO) um avião com R$ 500 mil em dinheiro e três quilos e meio de panfletos de políticos de Tocantins.

Também foram presos quatro suspeitos no local. De acordo com o delegado Rilmo Braga Cruz Júnior, um dos detidos informou que o dinheiro seria utilizado na campanha eleitoral do político. Na época, o candidato disse que não sabia o que tinha ocorrido.

A Polícia Civil analisou mensagens nos celulares dos presos no avião e ouviu testemunhas, concluindo pela ligação das pessoas com a campanha de Miranda. O governador foi absolvido pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de Tocantins. O TSE analisa um recurso do Ministério Público. Se for condenado agora, deverá ser enquadrado na Lei da Ficha Limpa. Além de perder o mandato, ficará inelegível por oito anos.