Bolsonaro participa da sessão especial do Cinquentenário da “Igreja Cristã Maranata”

A importância das obras sociais e do trabalho evangelizador da Igreja Cristã Maranata foram destacados na sessão em homenagem aos 50 anos da instituição. A data foi lembrada pelos senadores e deputados num evento que lotou o auditório Petrônio Portela, nesta quarta-feira (23).

O evento contou com a presença do pré-candidato a presidência do Brasil Jair Bolsonaro; assista

 

Ao ressaltar o crescimento da congregação, o presidente do Senado, Eunício Oliveira, afirmou que a palavra Maranata tornou-se patrimônio espiritual do país. O parlamentar lembrou que a igreja atual é moderna e usa tecnologias para alcançar seus fiéis onde quer que estejam. Do norte do Canadá ao sul da Argentina; nas Américas, na Europa, na África e na Ásia.

— Temos convicção de que o Brasil, laico e religioso, estima enorme apreço pela instituição, destacando sua expressiva contribuição para a retomada de valores que parecem ter sido esquecidos por muitos nesse país — afirmou.

A ideia da homenagem partiu do senador Magno Malta (PR-ES), que relatou, emocionado, seu primeiro contato com o fundador da igreja, o pastor Gedelti Gueiros, de quem se tornou amigo. Gedelti era dentista na época e socorreu Magno Malta, que não tinha dinheiro para pagar o tratamento.

— Há 50 anos, Deus poderia ter chamado um doutor, um mestre no conhecimento das linhas teológicas, mas a bíblia diz que Deus chama o menor da malhada. Há 50 anos, Deus não foi buscar um catedrático na doutrina das últimas coisas, nem alguém que já se destacava como um pregador. Foi buscar um dentista. Um homem respeitado na sua profissão, um professor. Tirou-o da malhada. Gedelti Foi chamado não por aquilo que era, mas por aquilo que poderia vir a ser nas mãos de Deus — afirmou.

Origem capixaba

O senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES) lembrou que o cinquentenário é importante para o Brasil, mas especialmente relevante para os capixabas, visto que a Igreja Maranata nasceu no Espírito Santo, na cidade de Vila Velha.

— Hoje, 23 de maio, dia em que o Senado faz essa homenagem, estamos comemorando também a fundação do Espírito Santo, surgido em 1535. O estado nasce em Vila Velha. E a igreja nasce também nessa extraordinária cidade. O estado e a Maranata nasceram e prosperaram numa terra de valor imensurável na construção de nossa história — ressaltou.

Ferraço lembrou ainda que atualmente a instituição tem mais de 9 mil templos espalhados por todos os continentes. Segundo ele, o crescimento da igreja se deve aos seus princípios e valores estruturados. Sem isso, não chegaria aos 50 anos.

— Fé sem obra é morta. Eu não sou evangélico, mas sou cristão. E o que precisamos é estar convergentes em torno desses princípios e valores. Sou testemunha, como representante do Espírito Santo, da obra extraordinária que a igreja faz no estado.

Agradecimento

O fundador e atual presidente da Igreja Cristã Maranata, pastor Gedelti Gueiros, agradeceu a homenagem, fez uma reflexão sobre o cristianismo atual e mencionou trechos do Bíblia, relacionando-os com o mundo de hoje. Ao apresentar um contexto histórico do surgimento da instituição, nos anos 1960, lembrou ainda que a Maranata não emergiu de uma briga ou discussão teológico-filosófico-ideológica.

— Diante de tudo isso que aí está, as dificuldades do mundo continuarão. Mas, olhem para cima, como disse Jesus, porque a nossa redenção está próxima — finalizou.

Além de outros senadores e deputados, participou também da homenagem o governador do Espírito Santo, Paulo Hartung, e o pré-candidato à presidência da República pelo PSL, Jair Bolsonaro.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)