Policiais investigados por morte de PM durante abordagem voltam ao trabalho

Policiais civis e militares que são investigados por mortes durante abordagens das equipes deles voltaram ao trabalho antes do fim das investigações em Palmas, Guaraí e Formoso do Araguaia.

Na capital, três agentes e um delegado da Polícia Civil voltaram ao trabalho enquanto respondem ao inquérito sobre a morte do Policial Militar José Maria Rodrigues de Almeida. O PM foi baleado em um bar na região sul da cidade. Os quatro são suspeitos de atirar no militar após uma discussão sobre o volume do som.

O ex-delegado de homicídios de Palmas, Cassiano Oyama, está fazendo serviços administrativos da diretoria da polícia da capital, um cargo no alto escalão. Os agentes Davi Neme Muradas; Gustavo Ferreira de Sena Balduíno e Hélio Vieira de Lima estão atuando na delegacia que cuida do controle de armas, munições e explosivos.

Já em Guaraí, os PMs Frederico Ribeiro dos Santos e Thiago Mariano Duarte Perez voltaram às ruas. Eles confundiram um delegado com um bandido e balearam o homem durante uma operação contra uma quadrilha que roubou um carro forte. A corporação informou que os dois não receberam denúncia da justiça e que por isso puderam voltar ao serviço normalmente.

Outros dois policiais envolvidos no caso, João Luiz Andrade da Silva e Cleiber Levy Gonçalves, ocupam funções administrativas e “ministram instruções na corporação”, de acordo com a nota.

Em Formoso do Araguaia, onde um jovem morreu após ser abordado pela Polícia Militar em janeiro, os quatro policias envolvidos estão de volta às ruas. Os soldados Leandro Castro e Rafael Dutra; e os sargentos Rick Bueno e Aldaires Monteiro, são investigados pela morte de Wilque Romando da Silva.

Segundo a PM, eles puderam voltar ao serviço porque a investigação interna foi conluída e o inquérito entregue aos órgãos competentes.

Fonte: G1