Em Brasília, Cinthia Ribeiro defende projeto de interesse de Palmas

Ivonete Motta

 

Em audiência com o presidente da Caixa Econômica Federal Nelson Moura, ocorrida na tarde desta quarta-feira, 06, em Brasília, a prefeita Cinthia Ribeiro saiu com a sinalização de que até o início do mês de julho a instituição de crédito e o Município de Palmas assinam operação de crédito no valor de R$ 50 milhões, destinados à implantação do Programa Palmas Solar, que prevê a construção de usinas solares, ampliando assim o uso de fontes naturais na Capital.

Presente em Brasília desde esta última terça-feira, 05, a prefeita cumpre extensa agenda na capital federal. Ela participa do Congresso Internacional Cidades Lixo Zero, mas paralelamente realiza outras visitas na defesa dos interesses do Município. A audiência na Caixa foi resultado de uma agenda pela manhã com o ministro-chefe da Secretaria de Governo da Presidência da República, Carlos Marun, a quem apresentou os pleitos do município e a um breve encontro com o presidente da República, Michel Temer, a quem reforçou seus pedidos.

A agenda no Palácio do Planalto foi articulada pelo deputado federal Vicentinho Alves, e contou com a participação do secretário de Governo, Eduardo Mantoan.

Além do empréstimo junto à Caixa, a prefeita também solicitou ao ministro Marun, a viabilização de recursos na ordem de R$ 15,8 milhões junto ao Ministério do Esporte, destinados à modernização da infraestrutura esportiva e a ampliação das oportunidades de acesso e fomento às atividades esportivas do município.

Cinthia Ribeiro também pediu apoio para a liberação dos recursos no âmbito do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), destinados à conclusão de obras de sete Centros Municipal de Ensino Educação Infantil (CMEIS) e uma Escola de Tempo integral, bem como dar início à uma unidade escolar em Taquari e a Vila Olímpica.

Outro pleito apresentado diz respeito à liberação de recursos destinados aos empreendimentos do Programa Minha Casa, Minha Vida, que estão em fase de contratação junto ao Ministério das Cidades.

“Estou muito satisfeita com os avanços que conseguimos nesta viagem, e quero ressaltar o que sempre tenho dito aos meus interlocutores, eu não pessoalizo as relações, mas defendo que as relações institucionais sejam fortalecidas. Estamos defendendo os interesses de Palmas  e vamos buscar a parceira onde elas forem necessárias”.

Gestão Pública

Já no início da tarde, ainda em Brasília, a prefeita representou a Frente Nacional de Prefeitos (FNP) na abertura oficial do Fórum do Conselho Federal de Administração (CFA) de Gestão Pública, um evento internacional que teve início hoje e segue até a próxima sexta-feira, 08. Ela foi a única prefeita do Brasil a compor a mesa de abertura.

O Fórum traz como tema “Estratégias transformadoras nas relações entre a Sociedade e o Estado”, e reunirá palestrantes nacionais e internacionais, prefeitos, gestores públicos e especialistas para discutir a administração pública.

“Eu não poderia estar num espaço mais adequado para discutir um tema que é sempre atual e sobre o qual somos cobrados diariamente, que é a eficiência na gestão”, disse Cinthia Ribeiro. Ela aproveitou para alertar os presentes sobre a necessidade da discussão do chamado ‘pacto federativo’, uma vez que os entes públicos têm recebido cada vez mais competências, sem que a partilha dos recursos tributários ocorra na mesma proporção das necessidades dos municípios, que é onde vivem o cidadão.  “Não há mágica e nem milagres, gestão pública de qualidade requer planejamento, eficiência, servidores valorizados, mas acima de tudo, recursos proporcionais para financiar os serviços”, destacou.

A gestora elogiou o Conselho Federal de Administração pela realização do evento, lembrando que os gestores públicos vivem o desafio diário da busca do equilíbrio entre o poder público e a sociedade, “que de forma legítima, exige seu protagonismo no processo de tomada de decisões”, concluiu.

Os organizadores do Fórum estimam que 1.500 pessoas participem dos três dias de debates e palestras, entre administradores, servidores públicos, estudantes, organizações não governamentais e sociedades em geral.