Ex-baixista do Metallica teve encontro com Deus antes de morrer

Um novo documentário intitulado “The Salvation Kingdom” (O Reino da Salvação, em tradução livre), está animando os fãs de rock. O filme com Connie Burton, a irmã mais velha do baixista icônico do Metallica, Cliff Burton, que morreu tragicamente na banda, conta histórias inéditas da vida e do tempo do músico com a banda incluindo sua jornada de fé.

O documentário tem 94 minutos e nele,  Connie compartilha a fundo sobre seu lendário irmão. Ela revela sua fé cristã e como foi ajudada pelo Espírito Santo para lidar com a morte de Burton, além de superar o abuso de substâncias tóxicas, prisão e outros episódios.

Burton tinha 24 anos quando foi morto em um acidente de ônibus em 1986. O jovem músico tocou nos três primeiros álbuns do Metallica e foi postumamente introduzido no Rock and Roll Hall of Fame do com o Metallica em 2009.

O documentário de divulgação já conseguiu mais de 62 mil visualizações no YouTube e continua crescendo. Devido à crescente necessidade de os fãs do Metallica saberem mais sobre a icônica banda de heavy metal, muitos deles estão sendo atraídos. Muitos também estão curiosos sobre a morte repentina de Burton.

“O filme apresenta todos os fundamentos básicos do Evangelho e com a ajuda de entrevistas adicionais de integrantes da banda de metal hardcore digital PANIC, personalidades do Rock Clássico e Metal dos anos 80, líderes de louvor da Igreja e pastores”, disse Simon Woodstock, o co-produtor do filme, em um comunicado compartilhado com o site The Christian Post.

O filme procura responder às perguntas – “Quem era Cliff Burton? Como ele era quando criança? Quais eram seus hobbies? Ele tinha hábitos / comportamentos excêntricos? Com ​​que frequência ele praticava música? Quais eram as suas crenças sobre Deus, o reino espiritual e o diabo? Como ele se sentia sobre o satanismo? Quais eram algumas das influências desconhecidas em sua música / letras? O que a irmã de Cliff falou com ele pouco antes de sua morte?”, e mais.

Os comentários do YouTube já foram desativados, mas o produtor do filme compartilhou um comentário em particular com o The Christian Post que, segundo ele, realmente o impactou.

“Esse [documentário] definitivamente abriu meus olhos, [eu] não sou um cristão, mas quero acreditar e mudar tanto. A vida não acabou como eu esperava, eu me encontrei em um lugar muito ruim e estou tentando. Eu achei uma ótima mensagem nesse vídeo. Eu simplesmente não entendo a necessidade de as pessoas se queixarem do aspecto religioso, está no título. De qualquer forma, obrigado por isso e desejo bem a todos vocês bem”, dizia o comentário.

Embora o Metallica tenha sido ligado ao satanismo, porque algumas de suas canções, como “The God That Failed” (O Deus que Falhou, em tradução livre), supostamente promove o satanismo ou são contra o cristianismo, o líder da banda, James Hetfield, disse à France’s Clique, em 2017 que ele acredita em Deus.

“Eu acredito em um poder superior, sim. Eu não sei o que é de fato, mas eu vejo isso em todo lugar. É tudo para mim”, afirmou. Hetfield disse que este poder superior salvou sua vida depois de superar seu vício em drogas.

Confira o documentário (em inglês, com legendas):