Bruxas apoiam presidente da Rússia com rituais e feitiços em cerimônia pública

No mesmo dia, autoridades do país condenaram a seis anos de prisão um dinamarquês que é Testemunha de Jeová.

Um grupo de mulheres bruxas, considerado o “maior grupo de feiticeiras do país”, realizou um encontro na terça-feira (12), na região central da capital russa, Moscou. Na cerimônia pública elas fizeram invocações patrióticas e a favor do presidente da Rússia, Vladimir Putin.

O evento e sua divulgação na imprensa geraram críticas de setores da oposição, porque, no mesmo dia, autoridades do país condenaram a seis anos de prisão um dinamarquês que é Testemunha de Jeová, denominação religiosa considerada uma organização “extremista” e proibida na Rússia desde 2017.

Analistas russos destacam que, diante das restrições a outras denominações e cultos religiosos na Rússia, esse tipo de seita demonstra seu apoio ao governo como forma de manter seus ritos na legalidade, além do marketing.

A Rússia entrou na Lista Mundial da Perseguição aos cristãos apresentada pelo Portas Abertas. Pela primeira vez o país está entre os 50 países que mais perseguem cristãos no mundo, saindo da 54ª posição em 2018 e indo para a 41ª em 2019. A pequena comunidade cristã não tradicional, que representa 2% da população russa, é considerada pelo governo como espiões ocidentais que roubam membros da Igreja Ortodoxa “estatal”.

Após a queda do regime soviético, o cristianismo ortodoxo voltou a ser a principal religião da Rússia: estima-se que 75% da população o pratiquem. Mas isso não impediu que outros cultos mais próximos do folclore nacional também florescessem.

Putin mantém-se próximo de líderes da Igreja ortodoxa, o que, em certa medida, fez com que, no ano passado, a Ucrânia se separasse formalmente desta corrente cristã.

Jüri Maloverjan, correspondente do serviço russo da BBC, explica que Putin nunca demonstrou inclinações a práticas ocultistas, ainda que o apoio de grupos assim ao presidente garanta sua legalidade.

O presidente russo já foi premiê do país no início deste século e venceu sua mais recente eleição em março de 2018, com mais de 76,69% dos votos, segundo dados oficiais. Está em seu quarto mandato presidencial, que vai até 2024.

Rituais

Reunidas em círculo, mulheres de capuzes e túnicas pretos, com um símbolo místico vermelho nas costas, baixam a cabeça e fazem um momento de silêncio. Sua líder vai ao centro e começa a entoar orações misturadas com slogans políticos. “Que venha com grandeza, o poder da Rússia, que guie o caminho de Vladimir Putin de forma correta por meio de minha reza. Respire, Mãe Terra, abraçando a Rússia por todos os lados”, diz a autoproclamada chefe do grupo, Alyona Polyn.

Enquanto isso, as outras mulheres do grupo fazem gestos de concordância. Elas fazem parte do “Império das Bruxas Mais Poderosas”, um grupo ocultista de feiticeiras russas que realiza com frequência “círculos mágicos de poder” para demonstrar seu apoio ao país e seu presidente.

“Uma pessoa deve apoiar o governo e a Vladimir Putin antes e acima de tudo”, disse uma das bruxas, chamada Yulia.

Outra integrante do grupo disse à agência de notícias Reuters: “Nosso país enfrenta tempos difíceis, e gostaríamos de apoiar o presidente com a ajuda dos nossos poderes. Queremos que os vilões [que atacam Putin] fiquem em silêncio”.

Sua líder, Polyn, se autodefine como a bruxa principal do grupo, fundadora do Império e herdeira de uma sabedoria ancestral. Ela contou a veículos russos que suas cerimônias sempre têm manifestações de apoio ao país e ao presidente, “já que ele é o rosto da Rússia”. Também afirmou que uma bruxa nunca deve falar mal de Putin.

As bruxas do Império

Mas quem são as mulheres do Império, que, com rituais e feitiços, manifestam seu apoio incondicional ao Kremlin?

Maloverjan explica que o grupo é formado por dezenas de integrantes, em sua maioria mulheres, que compartilham a crença nos rituais criados por Polyn, considerada por meios de comunicação do país como a “bruxa mais proeminente de Moscou”.

Segundo ela própria, seus conhecimentos foram herdados de sua família e usados como base para a criação do “maior grupo de feiticeiros do país”. Seus membros costumam se apresentar com outros nomes ou usam apelidos que fazem alusão a elementos mágicos ou ingredientes tradicionais de magia, como Christina Mandrágora.

Ainda que seja incerto o número total de membros, o grupo se autodefine em seu site como a “única organização pra todos os envolvidos com magia e feitiçaria” a nível mundial e oferece serviços que vão de leitura de cartas de tarô a remédios contra maldições ou feitiços para atrair o amor. Os preços giram em torno de US$ 80 (R$ 300) e chegam a passar de US$ 150 (R$ 560) em alguns casos.

Maloverjan diz que o ocultismo e tudo que é vinculado a horóscopos e bruxaria são práticas bastante populares na Rússia e muito presente em seu folclore, ainda que fossem mal vistos e até mesmo proibidos durante a era soviética. Estima-se que esse movimento muito mais popular na Rússia do que em qualquer outro lugar da Europa Ocidental.

Por isso, avalia ele, muitos encontraram nisso uma forma de ganhar dinheiro nos últimos anos. De acordo com dados do Ministério da Saúde russo, citadas pelo jornal The Moscow Times, mais de 800 mil russos prestavam serviços como curandeiros, médiums, videntes, entre outras atividades do tipo, em 2017.

Etiquetas
Comentários
avatar
  Subscribe  
Notify of
Botão Voltar ao topo