Morre drasticamente o evangelista famoso em São Paulo e evangélicos lamenta

Na madrugada desta sexta-feira (15), faleceu em São Paulo o evangelista Carlos Apolinario.

Evangélico desde a infância, foi membro da Igreja Assembléia de Deu Ministério de Madureira/Brás, em São Paulo e se tornou um conhecido pregador, com programas evangelísticos apresentados na Rádio Vida. O evangelista vinha travando uma luta contra o câncer desde fevereiro de 2017.

A notícia foi confirmada pelo próprio filho do pastor, Carlos Apolinario Júnior, com uma mensagem emocionada.

“Perdi meu pai. É com grande tristeza que informo o falecimento do meu amado pai, o meu amigo, o Evangelista Carlos Apolinario. Meu orgulho, meu amor eterno, meu exemplo, meu guerreiro, meu melhor amigo, meu herói, meu exemplo”, escreveu.

“Você que o respeitou e honrou, ore por nós. Sonhos e planos morreram comigo e com meu pai. Faremos o velório na Assembleia Legislativa. E sepultaremos no cemitério do Morumbi”, acrescentou.

O filho finalizou, afirmando que sempre honraria a memória do pai e reforçando o pedido de orações pela família.

“Honrarei o nome de meu pai, com toda minha alma. O grande homem que sempre será. Orem por nós”, disse. “Meu pai amado, meu melhor amigo, Carlos Apolinário”.

O velório está programado para acontecer até às 15h desta sexta-feira, na Assembléia Legislativa de São Paulo. O sepultamento está programa do para as 16h, no Cemitério do Morumbi, na capital paulista.

Histórico e vida pública

Carlos Apolinario veio de uma família de origem humilde. Cresceu na periferia da cidade de São Paulo, mais especificamente nos Bairros da Vila Maria e Vila Medeiros, na zona norte de São Paulo.

Formado em Direito, foi empresário e político na cidade de São Paulo. Começou a trabalhar aos 14 anos de idade como auxiliar de torneiro mecânico. Passou três anos na metalurgia, até iniciar uma carreira como vendedor de carteiras plásticas, aos dezessete. Um ano mais tarde Apolinario abriu uma empresa de produtos plásticos.

Em 1982 foi eleito deputado estadual pela primeira vez, aos 29 anos de idade. Foi reeleito por mais dois mandatos consecutivos, (1987/1991 e 1991/1995) pelo PMDB.

Na Assembléia Legislativa foi membro das comissões de Transporte e Comunicação, de Promoção Social e Administração Pública.

Em seu último mandato como deputado estadual, no biênio 1991/1993, foi presidente da Assembléia Legislativa e assumiu o Governo de São Paulo interinamente entre 8 e 18 de maio de 1992.

Em 1994, após ser eleito deputado federal, foi relator da Lei Eleitoral e vice-presidente da Comissão de Ciência, Tecnologia e Comunicação. Já no ano 2000, foi eleito vereador em São Paulo, sendo reeleito para o mandato de 2004 e posteriormente de 2008.

Apolinário deixa esposa (Dalva) e dois filhos (Carlos e Cláudio).