Marco Feliciano não aceita desculpas de Formigoni e detona conduta do bispo

O pastor e deputado federal Marco Feliciano gravou um vídeo oficial nesta última segunda feira para falar da enorme polêmica causada pelo Bispo Formigoni.Ao entrevistar um homem que estava supostamente possesso por demônios,Formigoni instigou o homem a citar o nome das igrejas evangélicas que estarim supostamente recebendo a direção do diabo.

Feliciano chegou a chamar os bispos de “trapaceiros e embusteiros” e disse que o bispo não poderia atacar as igrejas evangélicas ,principalmente as “igrejas centenárias e de ilibada conduta”,que nunca tiveram problemas com suas doutrinas bíblicas.

Feliciano disse que Formigoni pediu desculpas com “cara deslavada” e não foi sincero em suas colocações.O deputado exigiu que o bispo pedisse desculpas as igreja nominalmente e afirmasse que não concorda com que o diabo disse na boca do suposto endemoniado.

O pastor ainda deixou bem claro que “o pai da mentira é o diabo” e que jamais um bispo deveria considerar como verdadeiras afirmações feitas pelo suposto diabo que falava a boca do homem possesso. Feliciando disse aguardar desculpas mais competentes do Bispo Formigone que não respondeu ao vídeo de Feliciano.

O Bispo Abílio Santana afirmou que pretende reunir provas para processar o Bispo por injúria e difamação as igrejas evangélicas.Porém, o processo não poderia ir muito adiante,já que o bispo não pode ser responsabilizado pelo que um homem suspostamente endemoniado disse.Toda culpa de Formigoni seria instigar o endemoniado a falar e publicar o vídeo em seu canal,que já foi retirado do ar a mando da Universal.

A confusão foi tanta por contas das declarações contidas no vídeo que o próprio líder máximo da Igreja Universa,Edir Macedo,veio a publico e repudiou o vídeo e as declarações dele.Macedo afirmou que acredita no trabalho das igrejas evangélicas,não somente a dele e que corrigiu o bispo Formigone por sua conduta.Além de admitir que se sentia culpado pelo episódio,apesa de não ter feito nada ,mas que talvez tenha deixado de ensinar respeito pelo trabalho dos outros.