Pastor Marco Feliciano ataca diretamente General Mourão no twitter

O Pastor e deputado federal Marco Feliciano disparou uma série de ataques diretos para o vice-presidente da República,General Mourão. Feliciano parece apontar para um constante descontentamento do vice para com o presidente e indicou até falta de subordinação de Mourão.

O deputado usou o seu twitter para interrogar ao vice de Jair Bolsonaro que nada respondeu.Marco Feliciano citou uma reportagem da Folha recente que afirmou que “General Mourão deveria renunciar e ir para a oposição”,o texto foi repostado pelo pastor que criticou a postura antagônica do vice-presidente em relação a Bolsonaro. Feliciano chegou a indagar Mourão dizendo: “Até quando Mourão,abusarás da nossa paciência?”,indagou o deputado.

Feliciano ainda citou a publicação do Jornal Estadão,na coluna que dizia que Mourão se reuniu com o líder da oposição do governo no senado,Rogério Randolfo.Que teria saído da reunião a portas fechadas elogiando Mourão e criticando Bolsonaro.O deputado ainda,afirmou que “nunca viu um vice falar tanto” e destacou que sua postura é “desleal,indigna,desonrosa e indecorosa!”. Feliciano alertou a Mourão com todas as letras: “vice também sofre impeachment,é crime de responsabilidade,proceder de modo incompatível com a dignidade,a honra e o decoro do cargo”,avisou o pastor.E se isso pudesse acontecer,Feliciano certamente seria o primeiro a protocolar o processo de retirada de Mourão na câmara.

Marco parece apontar para um futuro golpe,como o que muitos afirmam ter sido planejado por Michel Temer e o PMDB para retirar Dilma do poder.Feliciano critica o general Mourão que parece agir pelas costas de Bolsonaro com algum propósito em mente.Muitos até defende a exoneração do vice também se fora possível. Mourão tem o intento de provar a todo tempo,seja por vaidade,seja por ambição que é melhor que o presidente.Num clima que muitas vezes parece dizer que as eleições presidenciais ainda não terminaram.

Mourão tem dado dor de cabeça desde a campanha eleitoral quando adotou posturas contrárias ao que Bolsonaro vinha pregando em sua jornada.

Numa coletiva de imprensa dada nesta última quinta-feira,Bolsonaro chegou a afirmar que nasceu “para ser militar e não presidente da República”,dada a complexidade de problemas que ele,como chefe de estado tem enfrentado.