Presidente Americano alerta evangélicos: democratas querem impor “agenda anti-religiosa” aos EUA

Em visita a igreja El Rey Jesus, em Miami, o presidente dos EUA Donald Trump revelou na última sexta-feira (3) que é importante impedir que a esquerda radical, representada pelo Partido Democrata, volte a governar o país.
Segundo o Christian Post, Trump mostrou sua preocupação de que suas ações favoráveis à liberdade religiosa “desapareça rapidamente” caso um candidato democrata vença as eleições presidenciais.

Trump se posicionou como o maior defensor da fé cristã que já ocupou a Casa Branca e deve usar este discurso nas visitas que fará em outras grandes igrejas nas próximas semanas.

“Juntos, não estamos apenas defendendo nossos direitos constitucionais, mas também estamos defendendo a própria religião, que está sitiada”, disse ele que acredita estar próximo da reeleição.

Ainda que mantenha seu apoio político que o fez vencer em 2016, o presidente tem se esforçado para impedir que seus adversários tenha êxito nas urnas.

“Enquanto falamos, todo candidato democrata que se candidata à presidência está tentando punir os crentes religiosos e silenciar nossas igrejas e pastores”, alertou Trump. “Nossos oponentes querem expulsar Deus da praça pública para que possam impor sua extrema agenda anti-religiosa e socialista na América”, continuou. O presidente norte-americano afirmou que, enquanto a esquerda política diz que as crenças sagradas estão desatualizadas, ele entende que os valores cristãos são eternos e imortais. “Nossa fé é necessária agora mais do que nunca”.

Aos presentes, ele revelou que acredita em sua reeleição e que os republicanos serão maioria na Câmara dos EUA e no Senado. “Esta eleição é sobre a sobrevivência de nossa nação”, disse ele. “Com sua ajuda, suas orações e seu esforço incansável para mobilizar comunidades cristãs em toda a nossa terra, em 3 de novembro de 2020, (…) vamos ganhar outra vitória monumental por fé e família, Deus e país, bandeira e liberdade”, completou.