Vereador Filipe Martins se posiciona contra cotas para LGBTs na UFT: “Ofende a ampla concorrência” 

O vereador de Palmas (TO) e membro da Comissão da Família da Convenção dos Ministros Evangélicos das Assembleias de Deus Madureira no Estado do Tocantins (CONEMAD/TO), Filipe Martins (PSC) disse que repudia as cotas para para lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e intersexos ofertadas pelo curso de Mestrado em Letras da Universidade Federal do Tocantins (UFT), em Porto Nacional.

O parlamentar entende que destinar vagas aos candidatos LGBTI ofende a ampla concorrência, a moralidade e a legalidade administrativa. Para ele, o que deve estar em evidência é a capacidade do candidato e não sua opção sexual, e esclarece que é contra a oferta de privilégios.

“Não tenho nada contra os travestis, transexuais, que fique claro, mas porque discriminar o restante da sociedade? Assim teriam que criar cota para obeso, magro, alto, baixo, gestante, lactante, idosos, etc. Justiça é garantir direitos iguais para todos e privilégio especial para ninguém”, explicou.

Contra ambulatório para público LGBT

Em 2017,  vereador Filipe Martins (PSC) também criticou a possível  implantação de um ambulatório especializado no atendimento a transexuais e travestis, em Palmas.

Para o vereador, o artigo 5º da Constituição Federal, deixa claro que: “Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza”, combinado com o Art. 196 que estabelece: “Saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais que visem a redução do risco de doenças…”.

O parlamentar apontou que a necessidade urgente da saúde seria a construção de um Hospital Municipal com serviços de primeiros socorros, que segundo ele, resolveria o problema de uma grande demanda na área da saúde. Na época, o prefeito da Capital refutou da decisão.

Etiquetas
Comentários
avatar
  Subscribe  
Notify of
Botão Voltar ao topo