“Deveria se chamar Aliança pelo Crime” diz Zé Roberto Lula sobre novo partido de Bolsonaro

Pouco mais de oito mil apoiamentos à criação do partido Aliança pelo Brasil foram colhidos até esta terça-feira, 10, pelos articuladores do governo Bolsonaro e o deputado estadual Zé Roberto Lula usou a tribuna para comentar os dados sobre a criação da sigla. Para ele, as assinaturas colhidas até o momento para o partido, só comprovam que ele é formado por três categorias. “Empresários trambiqueiros e sonegadores, falsos evangélicos que usam a fé das pessoas para enganá-las e pessoas ligadas às milícias”.

Para o petista, o governo atual, em sua concepção de cidadania, partido e democracia se distanciaria do mundo civilizado. “Pelas notícias a gente vê que está se tentando criar um partido e se colocou no cartório uma série de coisas para tentar conseguir assinaturas. O fato é que não conseguiu. É um governo, que convive diariamente com a mentira e a prova da falsidade é até agora não terem nem dois por cento de assinaturas reconhecidas”, disse ele sobre a necessidade de 492 mil assinaturas para a criação de partidos no Brasil.

Zé Roberto Lula aponta, que alguns segmentos são bem nítidos entre os interessados pela criação do novo partido do presidente. “O primeiro é comandado pelo empresariado, que tem algumas características, o trambiqueiro, sonegador. Eu sei que a maioria dos empresários tem uma posição diferente e tem uma postura correta. Agora se você é um empresário que não cumpre as regras, se você é sonegador, esse partido Aliança é o seu partido”.

O deputado fala que a maioria dos pastores são pessoas corretas, mas uma outra parte pequena dos interessados na criação desse partido, é a parcela de evangélicos que usam a fé das pessoas para enganá-las. “Por último tem a parte de pessoas ligadas a políticas de segurança, que são ligadas a milícias, polícia militar, polícia civil”.

“Eu entendo que esse partido, se um dia ele conseguir mesmo criar, não deveria nem se chamar Aliança pelo Brasil, deveria se chamar Aliança pelo crime, porque são pessoas notadamente ligadas ao crime organizado, à sonegação, ao tráfico de drogas”, disparou o parlamentar.

Entenda

Há cerca de quatro meses o presidente da República, Jair Bolsonaro – hoje sem partido – iniciou o processo de criação do Aliança pelo Brasil e conforme orientação do Tribunal Superior Eleitoral – TSE, a criação se dá com a elaboração de um estatuto assinado por 101 fundadores; registro em cartório e publicação do Diário Oficial da União; registro de criação no TSE; obtenção do apoio de 0,5% dos votos válidos na última eleição geral para a Câmara distribuídos em pelo menos um terço dos estados e por fim a obtenção do Registro de Partido Político em um terço dos Tribunais Regionais Eleitorais – TREs, do País.

Estados como o Tocantins, Mato Grosso e Goiás, ainda não registraram assinaturas até o momento e nestes, quase quatro meses depois da criação do Aliança pelo Brasil, o maior apoio a sigla veio do Distrito federal com 1.444 assinaturas, seguido do Rio Grande do Sul com 1.337.

Etiquetas
Comentários
avatar
  Subscribe  
Notify of
Botão Voltar ao topo